sexta-feira, 6 de abril de 2007

REVOADA I

Acrílico sobre tela
*
*
*
*
*
Estrada Nova
*
*
Pelo umbral da expiação
venha a outra
a companheira
ter conosco a divindade
de um delírio


mas seja breve
e relevante
que o retorno de um engodo
é mero acúmulo de cal

*
*
Pelo umbral da expiação
tragam os ares uma pétala
um som flauta
o simples vôo de uma pena

*
*
*
*
*
Barganha Póstuma
*
----------------------------------------( Ao poeta Carlos Nejar )
*
*

Dizíeis que habitavam
as negruras
o fundo do poço do calabouço
, as vias limosas de Dante

*
*

Mas tudo o que vi
foram luzes no esmalte dos dentes
, os pestanejares constantes
das quatro lamparinas
ocres
e das duas safiras
que me içaram
como bandeira
*
*

Tudo o que vi
foi o vôo de três gazelas
no solo arado ao sol do estio
o manto tênue
como asas de mariposa
*
*

Relinchos ouvi
e foi tudo

*
*

O que cherei
, aniz

*
*

Quanto mesmo
declarastes
que valíeis
na ante-sala da redoma ?

*
*
Pois pago em dobro
*
*

Um comentário:

Giuliano Quase disse...

assis, muito legal seu espaço e, principalmente, suas pinturas.

retornarei

giuliano - curitiba/pr