terça-feira, 4 de novembro de 2008

ILUSÕES

*
*
*
*
*
*
Fragmento de uma Prosa Íntima- I
*
( Para Michel Deguy, Paula Glenadel
& Marcos Siscar )
*
*
...
em noites como esta
sem diálogo
*
eu me encerrava
em minhas próprias matas
*
---------------------nas brenhas
---------------------das
minhas próprias Índias
e Bornéus
*
e dava-me à ilusão
de ser uma ave empoleirada
---------------------numa fronde
numa terra de silêncios
---------------------decretados
*
e
conforme a lua se movia
minha plumagem refletia
*
mil cores
*
*

Em noites de desterro
também compreendo
---------------------a solidão
dos tuaregues*
*
daí meus desertos
---------------------que
---------------------no entanto
---------------------sempre imploram
por verdura
*
*
*

*- Referência ao poema “Mauritânia”, do livro “Os Olhos do Deserto”, de Marco Lucchesi. Ed. Record, Rio de Janeiro, 2000.
*
*
*

9 comentários:

VFS disse...

Chico,
que belas palavras!

celebrar a vida das relvas amarelas das dunas ou das faces laranjas dos lençóis do poente,
com o verde da floresta tropical.

Muito obrigado pelo embalo em paisagens bonitas.

Lívio disse...

Solitários, compreendemos um pouco mais a solidão - nossa e dos outros.

Graça Pires disse...

No deserto nascem os feiticeiros da sede...
Gostei do seu poema.
Um abraço.

Leila Andrade disse...

contemplar nossos próprios domínio: sempre o sentimento da necessidade, o sentimento da sede...

Fabrício Brandão disse...

Chico,

Esse desfolhar de sentimentos me lembra algo da saga de Guimarães Rosa em torno de sua grandiosa obra Grande Sertão: Veredas. As nossas tais veredas, por conceito, são pequenas vias por onde acessamos o mundo de coisas. A tão presente solidão pode se dissolver frente às renovações do olhar.

Belos versos, querido!

Abraços poéticos!!

d'Angelo disse...

Desertos, desterro, silêncios outorgados, e em meio a essas areias afloram versos pelos quais nossos olhos imploram. Ave, Chico!

loba disse...

são muitos os nossos desertos. de cores e cheiros diferentes. os seus têm poesia. e viram versos.
beijo, poeta.

tati_artemis disse...

Olha só o professor...
Além de Taxonomista... manda super bem com a poesia!

Adorei!

Pavitra disse...


tenho sentido os poemas
pela capacidade de me causarem
arrepios...
esse percorreu minhas costas
fez uma parada na nuca
e formigou na minha cabeça...

dizer que é lindo, não mostraria isso...

beijos, chico