terça-feira, 31 de março de 2009

VISÕES

*
*
*
*
*
*
Trespasse
*
( Para Fernando Py )
*
*
90 barras pretas
---------------grossas
---------------ignóbeis
---------------ferais
trespassadas por linhas tênues
---------------de quejando grau
revestiam a parede do quarto
do esquecido do tempo
*
que
quando olhava
---------------pelos
---------------retículos
infestos
não via tijolos, reboco
---------------mas
um pequeno mamífero
---------------recém-acordado
da hibernação
que se espreguiçava
na porta da toca
---------------e aos poucos
- ainda molengo -
ganhava distância
---------------na paisagem
a escorrer para os rios
*
*

12 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Poema bom para ser lido. Ótimo pra ser sentido.

Adriana Godoy disse...

Que poema mais belo, mais imagético, mais interessante. O final é escorregadio, sensacional. Parabéns, Assis, mais uma vez fez das palavras um lugar de encantamento. Beijo.

nina rizzi disse...

vc faz poemas de um modo tão único. é encantador.

até pra quem que de todas figuras, des-pre-fere as meta-foras.

eu gostava de hibernar de vez. e não des, às cinco da matina com tiros e gritos...

beijo.

Rê Ruffato disse...

Que surpresa boa sua visita, melhor ainda seu "cantinho". Lindas palavras, parabéns. Virei sempre!
(e vc me linkar é orgulho puro).
abraços,

Cris Animal disse...

As fotos arrepiaram. Fizeram-me lembrar um incidente quando era garota....rs
Seu poema me lembrou fotos que tenho no arquivo do meu computador!
A hibernação termina quando estamos dispostos a enfrentar a luz e nos enxergar plenamente.
Amei.
beijos
...............Cris Animal

romério rômulo disse...

chico:
passo por aqui e deixo um abraço.
romério

Bianca Feijó disse...

Você é singular em seus poemas...

Sua casa tem vida própria...

B.E.I.J.O.S

Adriana disse...

gosto muito do jeito q vc escreve,misturando poesia e biologia...tem sempre um "quê" de naturalismo aqui...muito me encanta!

gabriela rocha martins disse...

passo
re passo

leio
re leio

e
retiro
.
me

em
silêncio
de
canto


.
um beijo

gabriela rocha martins disse...

a boa poesia não se agradece
ou se lê
( e para tal visitam.se alguns blogues )
ou não
( e nesse caso passa.se ao largo )
assim
leio
re leio
e voltarei


.
um beijo
( deste lado do oceano )

Beatriz Galvão disse...

Oi, Assis!
Retribuindo a visita: Tô chegando!
Com um pouco de atraso, mas muita alegria. Gostei daqui.
Tá linkado e seguido.
Beijo!
B.

Madalena Barranco disse...

Olá Chico, que saudade de seu blog e sua poesia viva!

Nesse poema, me senti ciceroneada por você à toca do bichinho. É isso, ler sua arte é sentir o poema.

Beijos.