terça-feira, 28 de abril de 2009

CONTRASTES

*
*
*
*
*
*
A Mulher Como as Águas

( Para Viviane Mosé )
*

Supus ser possível
---------------transpor
-------------------------todas as margens
-------------------------dessa água
-----------------------------------todas as
-------------------------quedas e remansos
*
-------------------------a dança da espuma
-------------------------a se esquivar das rochas
*
-------------------------as rochas
*
-------------------------o filete das bicas
*
-------------------------o olho do remoinho
-------------------------& os colóides
-------------------------suspensos
*
*

Reputei exeqüível
---------------quantificar
-------------------------os sais
*
---------------qualificar
-------------------------o flanar do plâncton
-------------------------na lua da pele
*
-------------------------os segredos pelágicos
-------------------------que deixaram cicatrizes
-------------------------no baixo-ventre
*
*

Quis compreender
---------------os arcanos dos bentos
-------------------------nos taludes & nos abismos
*
-------------------------onde
-------------------------- havendo luz -
*
-------------------------uma raia imprimiria
-------------------------sua sombra
*
*

Também cogitei
---------------apreender
-------------------------o espaço entre as algas
-------------------------por onde os argumentos
-------------------------meneavam
-------------------------caprichosos
*
*

Não consegui
*
*

Por isso
---------------não te espero mais
*
-------------------------nem aqui
-------------------------nem na chuva
*
*

10 comentários:

Marcia Barbieri disse...

Lindo!!! Acho que realmente não é possível transpor as margens sem se debater nas rochas.

beijos ternos

gabriela rocha martins disse...

mas espero eu um outro poema

onde meus olhos se abrigam
(irritados)


.
um beijo

Madalena Barranco disse...

Olá Chico,

Vir ao seu blog é assim como... Conhecer o mar após navegar em um rio caudaloso, recheado de águas pluviais...

Amei o poema.

Beijos.

Adriana disse...

Chico,
Sempre tão cheio de imagens naturais, tão lindas como as desreve.O final é súbito, me surpreendeu.Muito Bom!

pianistaboxeador21 disse...

Dá pra ver o amor pela biologia como uma imensa diagonal na sua poética.
E o jeito como utiliza a àgua como significante me fez lembra de Federico García Lorca. não preciso dizer mais nada, né.
Abraço

Adriana Godoy disse...

Chico, essa simbiose entre a sua poesia e a natureza deixa um rastro de vida subjacente. É um encantamento pela forma e e peloconteúdo. Lindo, mais um que destrói, no bom sentido. Beijo.

Cissa de Oliveira disse...

Assis

foi uma grata surpresa visitar o seu blogue. Você sabe escrever poesias. Uma certeza: escrever bem não é algo que se aprenda (embora o treino seja essencial); é uma coisa que já está na pessoa, principalmente quando este algo é a poesia.

Cissa de Oliveira

Jane<3 disse...

Uauuu, lindissimo.

Tem gosto de bolinho de chuva com uma xicara de café fumegante.
Cheiro de mato & cor de saudade.
...delicado!!

Blunck Thiago

Mariluce Farias disse...

Uau...
Que fotografia
magnífica Chicão.

Anônimo disse...

Interesting

Review my blog post; check this link right here now