sexta-feira, 6 de abril de 2007

GERMINAÇÃO

Acrílico sobre duratex empermeabilizado
*
*
*
*
*
Preda / Dor
*
( A Paulo E. Vanzolini
zoólogo, mestre, amigo )
*
*
Eu, anti-sol
Eu, muçurana pífia
*
*

Por toda a idade das pedras
predei as víboras
que insinuavam-se nos piemontes
dos dias cor de piche
*
*
Rastejei-me, sinuosa, negra como petróleo
pelo piche
pelas sombras dos urubus
empoleirados nas aroeiras de grafite
*
e nunca fui imune à peçonha alguma
jamais me precavi das línguas bífidas
das pupilas verticais
*
nunca me preveni das fossetas
, dos sibilos
*
*
Eis que, pois, a escama quebradiça
o torcicolo em tantas vértebras
*
*
Daí o rasgo
a vulva de arenito e estanho
onde me dobro qual um verme
na moela de um abutre
*
*
*
*
*
História Natural
*
( Para Francisca Carolina do Val
dos corredores de uma maternidade )
*
*
Talvez doa

- os filhos que trazem
no útero
lhes sugam o sangue
como tênias

*
*
Talvez rasgue

- larvas irrompem da pele
no que os filhos
lhes partem
a vulva

*
*

Talvez queime

- as pulgas
embaladas no colo
exaurem a mãe
pelo lado de fora

*
*
Quem sabe
me redimo:

há poesia
no mundo da carne
pois
nem tudo que fede
é podridão

*
*

*
*
*

E os maridos
como reis de Cuba
sorriem um outro poema
*
*

Um comentário:

Gringa disse...

E os maridos
como reis de Cuba
sorriem um outro poema...
Que para eles não passa de um charuto cubano!!!
Gringa