sexta-feira, 6 de abril de 2007

POEMA URBANO

Acrílica sobre duratex impermeabilizado
*
*
*
*
*
Submersão
*
( Para Sergio Cohn )

*
O crepúsculo
é um santo
empalado
por seu ínsito desatino

*
*
A noite é mesmo da larva
num cadáver de bode
carcomido em fuga

*
*
E a manhã
é o próprio caprino
a bicheira lançada
o santo demente
a estaca
e o rombo

*
*
Posa de anjo
a manhã
em sua luz de falsa candura
que só cegos não vêem

pois
vissem
vazariam os olhos
com caco de espelho

*
*
Fugir dos claros
- eis a sina dos soçobrados:

vampiros de nós mesmos
estornados
na ausência de pescoços
*
*
*
*
*
Duas Gotas
*
*
Apago a chuva
e acompanho

--------------------a sorte
de apenas duas
de suas gotas:

riscam paralelas, próximas
uma levemente defasada
em relação à outra
perpendiculares a certas arestas do mundo
em diagonal a outros brilhos e filamentos
pra se fundirem
no mesmo instante em que espatifam-se
na folha d’água

*
... foi mais ou menos isso
que tentei dizer àquela moça
Lucrécia
nos longos idos de setenta e poucos
ao beijá-la
na soleira de sua porta
diante do vidro baço
*
eu <- molhado
ela -> morna

´
´

_____________________

Por onde andará Lucrécia
de duas pintas
no ombro esquerdo ?
*
*

2 comentários:

Analuka disse...

Linhas que se entrelaçam, cruzam, confundem... linhas que se embaralham... que se abrem e se fecham, num ritmo irregular... caminhos que se dividem, ao se multiplicar... cores que se separam, embora continuem a se contaminar... movimentos, solidões, esperanças esboçadas num contorno inconcluso curvilíneo que lembra um violino... Há algo musical, nesta imagem, mas é um som urbano, sim: buzinas, competindo com motores de automóveis e diversas outras misturas, maquinizadas, quase quadriculadas, em seus mundos-cubículos assimétricos...

SAM disse...

Olá, poeta!

Deambulando pela net achei estes excelentes poemas. Parabéns.


Abraço.