quinta-feira, 19 de junho de 2008

TEMPO

*
*
*
*
*
Uma Cena Boreal
*
*

Teu vulto claro
--------e cereal
embebido na manhã lapã
como a coruja do ártico
em sua leveza
*
estende-nos
num trigal deitado

--------ao vento
*
ao som
de duas ocarinas
*
e não há trópico que desdenhe
de nosso calor certeiro
--------e liberto

de ave
*
*

*
√ √ √ √ √ √ √ √ √ √ √ √ √
*
*
*
Patos enfileirados
fecundam
--------horizontes

*
*


4 comentários:

Mara faturi disse...

Querido poeta,

que belas imagens, fecundas...Gosto muito do seu "olhar",
vou correr lá no meu blog e linkar vc, que absurdo eu não ter feito isso...
grande abraço!!

orlando pinhº d-silva disse...

palavras
fecundadas
surpreendem
olhares

ví seu belo poema pra cláudia gonçalves no entrelinhas e a surprêsa continuou.

não o conhecia: bravo!

JIVM disse...

Chico, meu velho, alcei vôo com teus patos para o êxtase do firmamento e senti o horizonte grávido de tuas imagens e de teus versos. Ainda ouço o som das tuas ocarinas, elas me conduzem às esferas do delírio. Estou forro, liberto. Abraços.
José Inácio Vieira de Melo

Sr do Vale disse...

Chico, ainda bem que te conheci, e com o faro aguçado, segui seu rastro e vim parar aqui, pousei ao som da ocarina, e começo aos poucos ver o que vistes o que vestes, cores de trigais ou qualquer outra relva, momentos fotografados na poesia, breve, forte, implacavel.

Um grande abraço meu mano Chico.