segunda-feira, 11 de agosto de 2008

ENLEVO

*
*
*
*
*
Ocarina
*
( Para Leila Miccolis )
*
*
O sopro morno
------------nas entranhas
------------da argila
------------dura
*
o enlevo crescente
*
os dedos leves
------------nos gentis prelúdios
------------de um dedilhar de mulher
*
o calor das mãos
*
, tudo
reinventa o segredo das conchas
*
*

Algo se avulta
------------no oco

o novo reaviva o velho
*
e o som leve do hálito
------------partido
rompe o hímem do tempo
e crispa a pele do silêncio
*
- libélulas, pardais
------------rebrotam
do horizonte
*
da melodia
------------afloram
os presságios
*
*
*

11 comentários:

Crisfonseca disse...

Olá,
belíssimas palavras,belíssimas.
Tua escrita me fez tecer na mente a imagem de uma mulher esculpindo na argila o teu poema.
Beijos,
Cris

Thales Hohl disse...

Ótimo Blog, tuas palavras, poemas, poesias me tocam, uma coisa intrigante como esta... Simplesmente o melhor Blog que já vi em meio a Blogs muito interessantes... Gostaria de ver mais vezes... Não deixe de visitar o meu se quiseres...

Sr do Vale disse...

Sorte da Leila, por ganhar esta homengagem
Sorte a sua meu caro Chico, por estar presente a esta audição.

abraços.

Fátima Campilho disse...

Assis,
Estou deslumbrada com suas imagens, sons, palavras.
Ainda bem que dos verdes não escolheu meus olhos e a lua crescente pousada neles. E dos azuis, o que escolheu?
Não foi à toa que me diverti com seus grilos no Diversos Afins. Pedi autorização lá para publicar sua biografia e um poema para ilustrar um texto teórico. Somente hoje descobri seu blog.
Abraços.

f@ disse...

Brilhante...
Ggostei mto de um olhar sobre as letras... e fantasmas... mas todos são excelentes...
Parabéns pelo espaço

B.I.A.N.C.A Feijó disse...

Que belo poema Chico, poema que toda mulher adoraria...

Obrigadíssima pela visita, pelas palavras que me elevaram...

Seja sempre muito bem-vindo!

B.E.I.J.O.S

Fátima Campilho disse...

Pronto, Chico.
Estão lá suas coisas, digo, seus grilos!
É melhor conferir. Não sei fazer melhor!
Abraços essenciais.

Madalena Barranco disse...

Oh, Chico, que poema lindo!! A querida Leila Miccolis merece sua homenagem poética - ela é uma pessoinha maravilhosa. Gostei da mensagem em presságios de poesia.

Beijos.

Henrique Emidio disse...

Li hoje seu poema no suplemento literário, e apesar de não ter entendido muita coisa gostei da cadência...

paulo de toledo disse...

oi, assis! bem legal teu sítio. voltarei outras vezes. abrações

Lívio Soares de Medeiros disse...

Olá, Assis. Tomei conhecimento de seu blog por intermédio do Suplemento, publicado pelo governo de Minas.

Sou de Patos de Minas, de onde também é Maria Esther, a quem você dedicou "Poema da invernada".

Parabéns pelo blog. Textos e imagens convivendo num mesmo espaço.

Tento fazer o mesmo. Caso queira conferier, gentileza acessar http://liviosoares.blogspot.com/ e http://www.imagetexts.blogspot.com/

Grato.