sexta-feira, 3 de setembro de 2010

SILÊNCIOS

*
*
*
*
*
*

Flama
*
Teu peito é palco dos meus ritmos,
e em uníssono danço teu som
[Coração que galopa em ti!]
Que te seja meu ventre convidativo
e te ordene a cumpri-lo em ritual.
Tu que me fazes ser bailarina:
umas vezes menina, outras vezes tribal.
[Katyuscia Carvalho]
*
*
Índia nua
----------a desvendar a grande teia
*
----------------------------------------[mariposa voou rasante]
*
*
Um gorgulho verde numa haste de papiro
e duas minguantes na profundeza dos olhos
----------habitam
*
*
Desce o silêncio aracnídeo
para que mais íntimo se perceba o cetim
----------, o ondular de uma gata
----------e seus morros
*
----------------------------------------[viva ardência entre folhas]
*
*
De mais fundo vêm as águas
----------de mais fundo
e tudo o que daria iluminura
*
*
Cheguei de uma terra
----------sem mestres
pra louvar uma tora no fogo
e as estrelas desejadas
pelas gavinhas da ramagem
*
----------------------------------------[soubesse ao menos
----------------------------------------algum tipo de esperanto]
*
*
Ó dançarina de fogo e de névoa
lenço de só palpitação
*
*

13 comentários:

Wilson Torres Nanini disse...

De quem louva uma tora no fogo, exsurge uma linguagem maior que o esperanto requerido, que nos atinge raso e fere profundo com suas flechas envenenadas de entrelinhas.

Abraços!

Felipe Marques disse...

...deserto de silencio e sombra patua...

magistral!

abraço!

Madalena Barranco disse...

Olá Chico, que saudade de seu blog! E quando bato na porta, sou recebida pela dança do fogo de uma alma livre no mundo... Que lindo. Abraços.

« Katyuscia Carvalho » disse...

Poeta,

Tecer um poema assim é coisa de quem entende, do fogo, cada rito.

Estes versos, então, parecem coregorafia:

"Um gorgulho verde numa haste de papiro
e duas minguantes
----------na profundeza dos olhos
----------habitam"

Tu tens "a linguagem"!

Um abraço transatlântico, até a raiz.

Patricia Maês disse...

Quem tem o dom de louvar uma tora no fogo, meu amigo... fruindo inteiramente a crueza e a ferocidade dessa imagem...
é também naturalmente mestre dos secretos, sutis, mágicos acontecimentos das mais indescritíveis e miúdas delicadezas.


...de mais fundo vêm as águas
de mais fundo
e tudo o que daria iluminura

cheguei de uma terra sem mestres

pra louvar uma tora no fogo
e as estrelas desejadas pelas gavinhas da ramagem...


Isso tudo me pegou fundo...
Obrigada por tanto.
Beijo, Patricia.

Adriana Godoy disse...

Ei, Chico,depois de uma ausência longa, aparece com essa preciosidade. O silêncio dos aracnídeos...o silêncio do poeta que resolve explodir em versos tão vibrantes e mágicos. Beijos

romério rômulo disse...

salve, chico!
gostei.
romério

Roberta disse...

Crueza inefável. Anterior, ulterior, fundo e muito. Tamanho. Meu silêncio flamejando; sobretudo, admirado.

nydia bonetti disse...

A poesia de Katyuscia inspira, não é chico?! Mas esperanto pra quê? Se falam a mesma língua ancestral, dos poetas raros, que conhecem a alma do mundo. Lindo. Bjo!

Andréia Carvalho disse...

Louva-deus.
* aqui se entra sem sapatos, para pisar suave no verde ritual da grama-tura.
* abraço!

Márcio Ahimsa disse...

para se calçar de poesia
é preciso ter os pés
nus e descalços
a poesia só veste
quem sabe vestir de dia
os percalços e tombos
que a estrada tece

Abraço, amigo

ser doido ou semi é um mal
ou bem de ser poeta

ainda bem, rs

Domingos Barroso disse...

Das intensidades
renasce a brandura.

Forte abraço,
camarada.

Bruno Resende Ramos disse...

Uma poesia de estética e de mensagem muito belas.
Aproveito o ensejo para convidá-lo a participar do Projeto Nova Coleânea ( sem custos), enviando-nos um poema cuja o tema é "Brasil que te quero outro". Nesseidealizamos um país ao gosto da melhoria de qualidade de vida, de valorização da cultura e engajamento nas questões sociais.

Se interessar, será para nós de muito valor a sua contribuição.

Desde já, muito obrigado.

Bruno Resende Ramos
Projeto Nova Coletânea