sábado, 29 de dezembro de 2007

SUTILEZA

*
*
*
Dois Poemas de Frio e de Dor
*
( Para Antonio Carlos Secchin )
*
*
19
Remexo a gema
da noite
antes do tédio
da clara manhã
*
: têmpera fosca
de antimônio e caulim

*
- quantos fantasmas
reviram nos caleidoscópios
e se desmontam
pra depois se recoserem
numa falange de proteus (?!)
*
*
Hora de hulha
povoada de folhas
e sarridos
*
*
Hora de unha
motinação
e esgarçadura

*
*
Explode a laca
pra fora de mim
*
e é assim
que me aplaino:
*
cochonilha atada
à raiz
da geada
*
*
*
*
*
*
28
Marés de sizígia
chumbo de águas-vivas
.............................e de polvos
Chumbo de tentáculos
*
*
A caravela portuguesa
não se presta à poesia
- é eminência de ardume -
*
*
Quisera estrondar-me
como a jubarte
que se atreve ao ar
*
esgueirar-me
..............................- angüila -
nas fendas do coral
*
arrancar-me
..............................feito um raio
de peixe prata
*
*
E não ensimesmar-me
como um gastrópodo
na concha
..............................e sem o mar
*
*
O teredo da morte está na madeira do leito, está na quilha do navio. Mas o amor golpeia mais forte nos lambris do sonho. E eu ouço a noite rasgar-se no talha-mar de uma proa*
*
*
*
--------------
*- Parágrafo da parte 5.2 da Seção IX (Estreitos São os Barcos) do livro “Estrofe”, de Saint-John Perse. In: Amers- Marcas Marinhas, tradução de Bruno Palma, Ateliê Editorial, Cotia- SP (2003).
*
*

Um comentário:

kita disse...

E eu que só falo dos gatos, invejo-lhe o conhecimento da bicharada e a musicalaidade dos sons...
Obrigada!