sexta-feira, 2 de maio de 2008

IMPERCEPTIBILIDADE

*
*
*
*
*

Poema da Invernada

( Para Maria Esther Maciel )
*
*
*
*

Tempo I- Banimento
*
*

Um sapo no mar
..........................se recorda
do braço da boneca
no chão da favela
*
dos loiros cachinhos de nylon
vedando frestas
*
*

( Seu corpo murcha
presumindo a morte
Sapo e sal nunca se dão )
*
*

..........................A mesma lembrança
que atirou à escuridão do sótão
o palhaço atímico
*
..........................: denúncia
de um mundo em rasgadura
de um inocente esquartejar
*
*
*
*

Tempo II- Proscrição
*
*
O palhaço
em seu próprio Gulag:
pequeno sótão
em algum ponto
entre Norilsk, Kolima
e
..........................Vorkuta
onde as mãos têm a casca
do lariço siberiano

*
*

Sua expiração quadricula
a tosse comprime o gelo

..........................nas pleuras
*

muito
tempo
acinzentou-se
*
*

Sequer sobrou
..........................o quebrar das pedras

*

*
E
a roupa larga
se tornou fuligem
a vedar-lhe os poros

*
e
venta
e
chove
no cubo
*
e
seu nariz, redundante
tornou-se passa
..........................de ameixa preta
*
e embora haja um certo azul
..........................lá fora
nem a dessecada alma do sapo
..........................nem a dessecada alma do sapo
..........................que morreu no mar
o visita
*
*
*
*

Tempo III- Impassibilidade
*
*

Meia-noite e trinta e sete
*
: o espectro anuro
espia pela fresta mas não entra
*
: no sótão
não há facas
vidros, cordas
comprimidos
nada que risque chama
*
tampouco há
paredes duras
degraus, janelas
eletricidade
lamparina a óleo
fogão a gás
*
( o chão é mole )
*
tudo forrado
por uma espuma
que não se esgarça
e resiste às unhas
aos dentes
às gengivas
*
a cama é d`um limbo
que não escorrega
e ali
o palhaço
dorme ( ? )
*
*

O fantasma o espia
com seu holocêntrico

..........................olho
de fantasma
*
e o braço da boneca
bate os dedos na porta
..........................mas ninguém

respeitável público
..........................ninguém por perto

..........................ouve nada

*

4 comentários:

Analuka disse...

Grata pela visita, caríssimo Assis! Fazia tempo que não davas o ar de tua graça, é sempre bom recolher tuas palavras amigas, gentis e inspiradas. Venho retribuir o abraço , e leio teus novos escritos... após o que me permito pensar e desejar: que a alma, a aura, a mágica desta boneca perdure... apesar dos percalços, dos sais e sapos, das unhas e dentes, das bruxas e fantasmas!... (pois que no sótão também podemos encontrar baús de tesouros e pérolas, memórias e histórias!).

Disguiser disse...

Olá Assis,

ok, então estamos linkados! Muitas coisas boas aqui, e ainda estou só começando meu passeio... obrigada pela visita.

Jorge Elias disse...

Ol� Assis,


Agrade�o muito seu coment�rio em meu blog.
Como disse minha amiga capixaba J�, penso em passar o fim de semana lendo seus poemas.
Obrigado por me visitar.
Vou tamb�m colocar um link em meu blog.

Abra�os,

Jorge Elias

Carmen Regina Dias disse...

Ma ra vi lho sa!
Amei, estou amando tuas pinturas,
poeta!